"
Apoiado por

RICEF não é arroz transgénico nem faz parte da ONU

O RICEF é um acrónimo do mundo SAP que aparentemente não foi inventado pela SAP. É, por isso, um acrónimo não oficial. O que não faz dele um acrónimo ilegal ou clandestino visto que tem vindo a tornar-se um termo de uso corrente em cada vez mais projectos.

RICEF significa Report, Interface, Conversion, Enhancement, Form e, basicamente, refere-se a qualquer tipo de desenvolvimento que seja necessário num projecto SAP.

  • Report refere-se a reports, ALVs, transacções, e todo o género de coisas interactivas.
  • Interface servem para transportar dados entre o SAP e outros sistemas. Refere-se portanto a IDOCs, ALE, EDI, RFC, coisas de PI, etc.
  • Conversion trata de conversão de dados, ou seja, carregamentos de dados através de BDC, DI, LSMW, etc.
  • Enhancement refere-se a todo o tipo de user-exits, BADIs e seus primos;
  • Form são, claro, os famigerado Layouts e os mais recentes Smart Form, Adobe Forms e integrações com MS Office.

E com 5 letrinhas apenas se descreve todo o tipo de desenvolvimentos possíveis em SAP.

A sua utilização prende-se com a necessidade de identificar univocamente os diferentes desenvolvimentos num projecto. Atente-se como exemplo neste breve diálogo entre um consultor funcional de cor verde e um consultor ABAP de cor roxa:

Verde – É preciso fazer um RICEF novo em FI.
Roxo – Outro? Porquê outro? Não chegam já?
Verde – Não. São sempre precisos mais.
Roxo – E como se chama este novo RICEF?
Verde – F451.
Roxo – Merda, mais um formulário.

O Abapinho saúda-vos.

Deixe um comentário


Acerca do Abapinho
O Abapinho é suportado pelo WordPress
Artigos (RSS) e Comentários (RSS).