"
Apoiado por

O circunlóquio do VALUE CHECK

Nunca te aconteceu esbarrares com uma coisa no ABAP que parece que é mas não é? A documentação diz que é, tudo indica que assim seja, e depois afinal não é.

Provavelmente já precisaste de, ao definir um parâmetro no ecrã de selecção de um relatório, limitar as possibilidades do que o utilizador pode introduzir aos valores disponíveis no tipo de dados desse parâmetro, certo? Para isto existe o VALUE CHECK. Parece simples. Por exemplo, presumia-se que isto funcionasse:


PARAMETERS: P_BUKRS LIKE T001-BUKRS OBLIGATORY VALUE CHECK.

Vais a ver e não funciona.

O campo T001-BUKRS é do tipo BUKRS que é do domínio BUKRS que por sua vez tem definida a tabela de valores T001 para a qual BUKRS é a única chave primária. Mesmo assim, pateticamente, isto não funciona. Não funciona porque, por alguma razão lamentável, ao contrário do que faria sentido e se subentende na documentação, o VALUE CHECK não tem em conta o domínio do campo que valida. Pelo contrário, para este funcionar é preciso que o campo referido tenha uma chave externa para a tabela de valores.

Portanto, no nosso caso, embora a tabela que contém a lista de valores possíveis do BUKRS seja a T001, para o VALUE CHECK funcionar temos antes de fazer referência a uma outra tabela qualquer que tenha a T001 definida como chave externa. Como por exemplo, a T001K:


PARAMETERS: P_BUKRS LIKE T001K-BUKRS OBLIGATORY VALUE CHECK.

E assim já funciona.

Em resumo: conhecendo já tu a tabela com os valores possíveis, em vez de a poderes usar, tens de ir procurar outra que a defina como chave externa. É complicar o simples com rodeios. Um retórico chamar-lhe-ia circunlóquio. Eu chamo-lhe estupidez. Aposto que é um bug que a SAP decidiu orgulhosamente ignorar para sempre.

Obrigado Luís Rocha pela dica.

O Abapinho saúda-vos.

Deixe um comentário


Acerca do Abapinho
O Abapinho é suportado pelo WordPress
Artigos (RSS) e Comentários (RSS).