Supported by
Supported by Inetum

SAT – The new execution analysis tool

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Since I was small I have been using the SE30 transaction for two different things: To analyze a (normally standard) program I don’t know in order to find out what functions it uses, what BADIs it offers, etc; To analyze a program of mine to search for performance problems. The simple truth is that the SE30 transaction is a total mess. It’s extremely limited and inflexible and it’s useless for any more complex analysis.

<!--:pt-->Como encavalitar tabelas<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Às vezes temos de criar uma tabela Z. Às vezes temos até de criar várias tabelas Z. Às vezes estas tabelas estão relacionadas de alguma forma. Como quando uma contém dados de cabeçalho e a outra dados de item, por exemplo. Ora se estão relacionadas pode dar jeito que sejam editadas em conjunto. É para isso que servem os Clusters de Visão (view cluster).

<!--:pt-->As estruturas PRE-a-porter<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quantas vezes não é necessária uma pequena estrutura para guardar, por exemplo, uma lista que relacione materiais e centros. Mas perder tempo a inventar a roda é sempre de evitar. No reino do MM há uma pequena família de estruturas que uso amiúde: são elas as PRE*, uma série de estruturas que vai desde a PRE01 à PRE50, com uns saltos pelo meio. Embora sejam, na sua maioria, específicas demais para servirem algum propósito, há algumas úteis.

<!--:pt-->A Ressurreição de um programa<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Batendo impetuoso com seus braços no peito, o famoso guerreiro gritava desesperado: &ldquo;Oh meu Zeus! Apaguei um grande programa , um programa precioso, feito de bronze, forjado por vós deuses no próprio Olimpo. Que será de mim quando isto for descoberto! Oh, ignomínia! Oh, funesto infortúnio! Zeus pai, não te enfureças com tal revés, Se és mesmo meu pai, acode-me ao invés.&rdquo; Assim falou; e Zeus compadeceu-se dele que chorava, garantindo que seu programa se salvaria e não pereceria.

<!--:pt-->Imprimir para PDF local<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Receita rápida: Manda-se imprimir o que se quer, dizendo ao SAP para guardar a ordem de impressão no spool e não a imprimir imediatamente. Reserva-se o número da ordem de impressão num recipiente à parte. A seguir, corre-se o programa RSTXPDFT4 , junta-se-lhe o número da ordem de impressão, mistura-se bem e executa-se o dito. Por fim escolhe-se onde, no computador local, se quer desenformar o ficheiro PDF com o conteúdo da ordem de impressão.

<!--:pt-->Depuração telepática<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Imagine o seguinte cenário: um utilizador (ou utilizadora) está sentado no escritório dele, a correr uma transacção ou não sei o quê. Tem um problema e chama um programador (ou programadora) para o (ou a) ajudar a entender o que se passa. Normalmente o programador (ou programadora) teria de se deslocar lá, à sala do senhor utilizador (ou senhora utilizadora) e das duas uma: fazer debug no computador dele (ou dela) ou aprender como recriar o problema e depois fazer debug no seu computador.

<!--:pt-->SELECT com mais olhos que barriga<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Embora seja evidente que, ao fazer selecções de dados de uma tabela da base de dados, devemos ter o cuidado de escolher apenas os campos que necessitamos, a verdade é que há muito boa gente que não se dá a esse trabalho e manda vir tudo. Mediremos aqui a diferença real entre as duas abordagens.

<!--:pt-->SE37.com<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Neste site pode-se consultar documentação de módulos de função ABAP: www.se37.com Basta escolher continue as guest pois a inscrição só é necessária para edição ou adição de conteúdos. E depois é só introduzir um grupo de funções ou um módulo de função para ver a sua documentação. Actualização: já não existe. O Abapinho saúda-vos.

<!--:pt-->Pede ajuda aos PDFs da SAP<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
A SAP disponibiliza uma série de documentos PDF que contém ajuda e informação preciosa nas mais variadas áreas. Estes PDFs estão dispersos pelos vários sites da SAP, mas alguém no site Easy Service Marketplace compilou todos numa conveniente lista: www.easymarketplace.de/online-pdfs.php Obriado Sérgio Fraga por este outro link com mais uma série de PDFs: sapignite.com/download-sap-pdf-material-abap/ Espero que vos ajude! Actualização: Isto parece já não existir. O Abapinho saúda-vos.

<!--:pt-->Um mal que veio por bem<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Era uma vez um cliente com um sistema produtivo com 9 servidores mais rápidos que a própria sombra. Esses 9 servidores eram geridos por 4 administradores de sistema muito bons que os mantinham sempre oleados e a fluírem à velocidade máxima. Um dia tive de desenvolver um carregamento muito complexo que criava milhões de classificações. Quando se começou a testar o programa, constatou-se que algo estava muito lento, lento demais. Na maior parte do tempo o programa estava encalhado à espera de SELECTs sequenciais à tabela INOB, que era gigante.

<!--:pt-->Downloadar e uploadar programas e afins<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Há palavras em inglês que o português de Portugal não se dá ao trabalho de traduzir. O verbo inglês download vira downloadar ou fazer download. A seu tempo, há-de seguir o caminho que beef seguiu até conseguir chegar a bife , transformando-se lentamente em algo tipo daunelaudar. Mas até lá&hellip; fazem-se downloads. Já que a SAP nunca se preocupou em permitir o download e upload de objectos do DDIC e do ABAP Workbench, foram sempre aparecendo umas almas caridosas com uns programas mais ou menos medíocres que o permitiam.

<!--:pt-->Dar de beber à dor<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
No Inverno de 2006 trabalhava no projecto SAP de um enorme retalhista internacional, com centenas de supermercados espalhados por todo um país. Uma bela manhã, pelas 11h45 comecei a ver várias pessoas com ar alarmado a correr de um lado para o outro no escritório. Perguntei o que se passava e se podia ajudar e explicaram-me que não conseguiam fazer a encomenda de leite para o dia seguinte que tinha de ser feita até às 12h15 mas que não tinha nada a ver comigo, que eu não podia ajudar.

<!--:pt-->Pesquisar em tabelas internas simplórias<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Imagina uma tabela interna tão simplória que nem sequer tem uma estrutura de dados com campos: DATA: t_simploria TYPE STANDARD TABLE OF char30. Agora imagina que queres fazer uma pesquisa nessa tabela para saber se contém o valor &lsquo;sumo de melão&rsquo;. mas como não tem campos, como a fazes? Normalmente usarias algo tipo WITH KEY campo = valor. Mas ela não tem campos. O ABAP disponibiliza uma palavra especial que resolve este problema: TABLE_LINE.

<!--:pt-->Transacção I18N = Internacionalização<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Os americanos são tão bons como os tibetanos a arranjar mnemónicas e abreviaturas para tornar as coisas fáceis de decorar. Internationalization é uma palavra inglesa com 20 letras. Então, a abreviatura adoptada foi I18N, constituida pela primeira e última letras entremeadas por um 18 que representa as 18 letras do meio. Meio maluco mas giro e a verdade é que pegou. Pegou tanto que o SAP tem uma transacção chamada I18N.

<!--:pt-->É meu, só meu e de mais ninguém<!--:-->

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Imagina que estás a trabalhar num sistema partilhado por muitos outros utilizadores que não conheces. Como no IDESACCESS por exemplo. Nada impede que, por distracção ou perfídia, algum desses outros utilizadores altere ou mesmo apague os teus programas. Na SE38, nas características técnicas do programa, existe um pisco chamado &ldquo;Bloqueio do editor&rdquo; que, se o activares, só tu próprio passarás a poder modificá-lo. O Abapinho saúda-vos.