Patrocinado por
Patrocinado por Inetum

Procura notas directamente no Google Chrome

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O Google Chrome tem uma app para pesquisar notas SAP de forma integrada. Chama-se SAP Notes finder. Instala-se aqui. Obrigado Fernanda Mirabile e Talita Polanczyk pela dica. O Abapinho saúda-vos.

Tenta converter WRITEs para ALVs

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Relatórios que ainda escrevem directamente no ecrã são muito difíceis de manter quando é necessário alterá-los. Se o tiveres de fazer revê o código e, se o esforço não for demasiado, considera convertê-lo para ALV. Se tiveres dúvidas quanto às consequências disto, envolve um funcional nesta decisão.

Curso online grátis de depuração

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O Pedro Lima (responsável pelo OnSAP) fez um curso online grátis a ensinar os rudimentos da depuração em ABAP. Espreitem pois está bem feito e porque estas iniciativas merecem todo o nosso apoio. Tenho a certeza de que o Pedro fará mais cursos se vir que há público interessado. Aqui Nota: o curso é em inglês. O Abapinho saúda-vos

Acabou-se o inglês

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
É com pena que vos digo que não será possível ao Abapinho continuar a publicar também em inglês. Peço desculpa aos leitores que não sabem português. O objectivo principal do Abapinho sempre foi a criação de conteúdos sobre ABAP em português. Mas a possibilidade de publicar também em inglês era uma vantagem pois permitia-nos alcançar um público mais vasto. Pudemos fazê-lo durante vários anos porque as traduções eram patrocinadas. Infelizmente, pelo menos por agora, tal não será mais possível.

CALL FUNCTION com DESTINATION ‘NONE' cria nova LUW

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Sabias que quando invocas uma função com a opção DESTINATION ‘NONE’ estás a iniciar uma nova LUW? Isto pode parecer apenas uma curiosidade, mas há um caso em que pode fazer toda a diferença: sabes aqueles módulos de função que ao serem chamados uma segunda vez têm um comportamento diferente da primeira vez? Isto acontece porque eles hão-de ter alterado alguma variável global ao grupo de funções. Ora se iniciares uma nova LUW quando chamares a função, o seu grupo de funções é automaticamente inicializado e assim garantes que o comportamento da função é o esperado.

Debug de um job

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Para fazeres debug a um programa que faça parte de um job faz o seguinte:

Converter excepção em classe de excepção

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Se ainda não usas classes de excepção fazes mal. Porque são muito boas para a saúde do código. Além de nutritivas, emagrecem-no e tornam-no mais resistente a doenças. Mas há casos em que ainda é preciso lidar com as antigas excepções. Por exemplo quando se invoca um módulo de função. Neste artigo apresento uma sugestão um bocado rebuscada mas que funciona muito bem para integrar as excepções antigas com classe de excepção de uma forma simples. A solução é rebuscada mas só tem de ser feita uma vez. Uma vez feita, a forma como se a usa não tem nada de rebuscado.

Novo livro "UI5 para desenvolvedores SAP/ABAP"

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O Flávio Pagoti, do blog ABAP101 publicou um livro em português sobre SAPUI5/OPENUI5. Aqui está o artigo do ABAP101 a anunciar o livro. Lá encontras um link para o comprar. Custa $9,99. A minha principal motivação quando decidi criar o Abapinho foi exactamente combater a gritante falta de conteúdos técnicos de qualidade escritos em português. Hoje as coisas estão um pouco melhores, em particular no mundo do ABAP onde há vários blogs de óptima qualidade.

Ensina o ABAP a fazer malabarismo

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O que podemos fazer quando as noites não são suficientes para os processamentos diários?

Encapsularás, encapsularás, encapsularás

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Historicamente os programas ABAP tendem a ser muito loooongos. Todas as boas prácticas de programação ensinam que não há uma única vantagem nisso. Se uma rotina, seja ela um programa, um método, uma função ou outra coisa, tiver mais do que 200-300 linhas, desconfia e considera seriamente modularizá-la em várias sub-rotinas. Esta abordagem tem a vantagem adicional de potenciar a reutilização de código. Mas a maior vantagem é o encapsulamento, isolando variáveis no seu contexto local, em vez de as ter todas juntas, tendo como resultado código mais seguro e mais claro.

Reutilizarás, não reescreverás

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Se o mesmo pedaço de código estiver repetido mais do que uma vez, pergunta-te porquê e tenta evitá-lo, criando uma rotina reutilizável. Se, num programa, existir mais do que um SELECT para a mesma tabela, tenta fundi-los num único. Por vezes a utilização inteligente de RANGES para unificar parâmetros pode evitar a necessidade de múltiplos SELECTs a uma mesma tabela. Se o mesmo código for usado em dois programas diferentes tenta, ao invés, mover esse código para uma classe que possa ser partilhada pelos dois.

Evitarás variáveis globais

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quanto mais variáveis globais existirem num programa, mais obscuro ele se tornará. Evita-as. Esta é uma das regras mais básicas da boa programação e deve ser seguida o mais possível. Mesmo se muitas variáveis tiverem de ser passadas entre rotinas. O esforço é um pouco maior, mas daí resultará código muito mais claro e seguro. Excepções podem ser feitas no caso de relatórios muito simples que revolvam à volta de uma única tabela interna, tabela esta que poderá ser declarada globalmente sem comprometer a clareza do código.

Como perguntar se a linha existe sem parecer antiquado

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Há muito tempo atrás dizias “porreiro pá”. Depois começaste a dizer “baril”. Depois era “fixe”. Hoje dizes “altamente”. É importante não te baralhares para não dares mau aspecto. E como perguntas a uma tabela interna se a linha existe?

Calem-se as mensagens das funções

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Há módulos de função standard que lançam mensagens e não deviam. Não deviam porque depois queremos usá-las em programas não interactivos e, em vez de devolverem o erro, atiram com uma mensagem para o ecrã que dá cabo do processo. Mas, provavelmente por ter tomado consciência deste problema, a SAP disponibilizou uma forma elegante (mas muito mal documentada) de resolver o problema.

Procurar texto numa WebDynpro

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
A SAP não sabe fazer as coisas bem à primeira. As WebDynpros são um bom exemplo disso. Aquilo nem sequer permite pesquisar texto. É triste. Felizmente o Sérgio Fraga descobriu uma forma, ainda que rebuscada: