Patrocinado por
Patrocinado por Inetum

Programas poliglotas que sabem o que dizem

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O SAP é um grande poliglota. Mas o ABAP nem sempre. O ABAP até tem muita facilidade em aprender e falar várias línguas, mas às vezes os programadores não o deixam. Muitos programadores cinzelam os textos literais directamente no programa, deixando-o irremediavelmente incapaz de comunicar em vários idiomas. Imagino duas razões para se agrilhoar um programa a uma única língua: A preguiça, que é a principal razão para se fazerem as coisas mal feitas;

Adeus DESCRIBE TABLE. Já vais tarde.

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Durante doze anos Quando quis contar As linhas de uma itab Fazia o que todos fazem: DESCRIBE TABLE itab LINES linhas. Até que outro dia Vi uma coisa que, Parece mentira, Nunca antes vira: LINES( itab ). Dá no mesmo E sem ter de declarar O raio da variável. Assim, em vez de: DATA: linhas TYPE i. DESCRIBE TABLE itabl LINES linhas. IF linhas = 42. WRITE 'A tua tabela é a verdade'.

A mensagem travesti

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Nos módulos AT SELECTION-SCREEN de um REPORT é-te possível lançar mensagens de erro e voltar ao ecrã de selecção. Mas uma vez que passes do START-OF-SELECTION, se lançares uma mensagem de erro, o programa termina. A solução para dar um erro e, ainda assim, regressar ao ecrã de selecção, é travestir a mensagem: START-OF-SELECTION. IF condicao_desejada. MESSAGE S208(00) with 'Erro!' DISPLAY LIKE 'E'. EXIT. ENDIF. WRITE 'Olá, eu sou o resto do programa'.

O circunlóquio do VALUE CHECK

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Nunca te aconteceu esbarrares com uma coisa no ABAP que parece que é mas não é? A documentação diz que é, tudo indica que assim seja, e depois afinal não é. Provavelmente já precisaste de, ao definir um parâmetro no ecrã de selecção de um relatório, limitar as possibilidades do que o utilizador pode introduzir aos valores disponíveis no tipo de dados desse parâmetro, certo? Para isto existe o VALUE CHECK.

Variantes automáticas em reports

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quando se está a desenvolver um relatório com um ecrã de selecção, é muito chato de cada vez que o testamos ter de preencher o ecrã de selecção com os dados de teste. Normalmente acabamos por criar uma variante de teste para nos poupar a esse chatice. Mas mesmo assim, de cada vez que corremos o relatório, temos de invocar manualmente esta variante. Aqui está uma forma simples de invocar automaticamente uma variante.

De pé ó vítimas da fome

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Classes. Sempre as houve entre as pessoas. Mas no ABAP ainda há poucos que as tenham em conta. Se ser classicista na sociedade pode resultar em pedantismo, no ABAP, a única luta de classes é a que alguns travam para que estas sejam mais usadas. Há dois tipos de classes: as globais e as locais. As globais são criadas na transacção SE24. As locais, que por sinal dou por mim a usar cada vez mais, são feitas declarativamente na SE38.

Esquece!

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O SAP GUI tem boa memória. Vai decorando os valores que lhe vamos metendo nos campos e depois sugere-os quando, mais tarde, voltamos a esses campos. Mas às vezes decora coisas que mais valia esquecer. Como por exemplo quando introduzimos um valor errado e a seguir ele insiste em sugerir-nos esse valor errado. Há uns tempos descobri que este pequeno drama tem solução. Quando, no campo, aparece a combo box com as várias hipóteses, usa as setas do teclado para te posicionares no valor que queres esquecer e depois carrega na tecla DELETE.

SPLIT INTO TABLE

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Aqui vos mostro uma forma criativa de preencher uma tabela interna com constantes que aprendi num programa standard. Imagina que querias criar uma tabela interna com os seguintes tipos de documento financeiro: AB AF CH DG DZ EX F3 F4. A forma mais convencional seria assim: DATA: t_blart TYPE STANDARD TABLE OF blart, wa_blart LIKE LINE OF t_blart. wa_blart = 'AB'. APPEND wa_blart TO t_blart. wa_blart = 'AF'. APPEND wa_blart TO t_blart.

Selecção vertical de texto no editor ABAP não dá? Dá!

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Como todos sabem, pode fazer-se selecções de blocos de texto verticais e horizontais em quase todo o lado do SAPGUI carregando em CTRL-Y e depois arrastando o rato para fazer a selecção. Como todos também sabem, isto não funciona no editor de ABAP. Mas o que provavelmente nem todos sabem é que há uma forma de fazer este tipo de selecções no editor de ABAP: primir e manter o ALT. Assim já podes seleccionar blocos de texto.

Parâmetros não parametrizáveis

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Volta não volta aparece um cliente que pede a um funcional que pede a um programador que crie um parâmetro protegido contra escrita no ecrã de selecção de um programa. É um bocado cretino visto que a ideia dos parâmetros é serem parametrizáveis. Mas enfim, vê-se de tudo. Os clientes têm tanta imaginação que a SAP devia criar um módulo de cinema, SAP CI, especialmente para eles poderem realizar os tantos filmes que lhes vão na cabeça.

Saltando alegremente de ELSE em ELSE

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Tens à tua frente um daqueles IF ELSEIF ELSEIF ELSEIF ELSEIF ELSE ENDIF gigantescos que atravessa centenas de linhas de código. Se fizeres duplo clique em cima do IF ou de qualquer dos ELSEIF vais parar ao ENDIF. Se fizeres duplo-clique lá em baixo no ENDIF vais parar lá acima ao IF. Isto toda a gente sabe. Dá jeito com IF ENDIF pequeninos. Já com os grandes, não serve de muito.

Saltos dentro do editor ABAP

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Nunca te aconteceu estar a programar num programa ABAP daqueles que parecem um testamento com centenas e centenas de linhas e teres de estar sempre a saltar entre uma zona e outra do código? Até há uns dias eu, ignorante, usava o PageUp e o PageDown para saltar entre os dois sítios e perdia montes de tempo à procura do lugar exacto do código que me interessava. Mas entretanto o Sérgio Fraga ensinou-me que o editor ABAP tem uma funcionalidade chamada bookmarks que permite evitar o disparate de andar a subir e a descer às apalpadelas.

CASE de pernas para o ar

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Qual é a tua cor preferida? SELECTION-SCREEN BEGIN OF BLOCK b1. PARAMETERS: p_azul BUTTONGROUP GROUP COR DEFAULT 'X', p_verde BUTTONGROUP GROUP COR, p_roxo BUTTONGROUP GROUP COR. SELECTION-SCREEN END OF BLOCK b1. Se respondeste azul sobrevives e podes atravessar a ponte. De qualquer das formas, em ABAP costuma fazer-se o seguinte para descobrir a cor que o utilizador escolheu: IF p_azul = 'X'. lv_cor = 'AZUL'. ELSE IF p_verde = 'X'. lv_cor = 'VERDE'.

As funções *_SINGLE_READ

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quando se quer obter um único registo de uma tabela da base de dados é costume usar-se o SELECT SINGLE que, como toda a gente sabe, na sua forma mais básica reza assim: SELECT SINGLE * FROM KNA1 WHERE KUNNR = '1234567890'.

RICEF não é arroz transgénico nem faz parte da ONU

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O RICEF é um acrónimo do mundo SAP que aparentemente não foi inventado pela SAP. É, por isso, um acrónimo não oficial. O que não faz dele um acrónimo ilegal ou clandestino visto que tem vindo a tornar-se um termo de uso corrente em cada vez mais projectos. RICEF significa Report , Interface , Conversion , Enhancement , Form e, basicamente, refere-se a qualquer tipo de desenvolvimento que seja necessário num projecto SAP.