"
Etiqueta > estilo
Apoiado por

Lookup em tabela sem ter de lidar com a excepção CX_SY_ITAB_LINE_NOT_FOUND

Antes do 7.40 ter modernizado o ABAP, um lookup a uma tabela obrigava a declarar uma variável auxiliar e a pelo menos 4 linhas de código.

Ler o resto do artigo! »

Clean ABAP

Durante muitos anos, quando entrava em discussões sobre ABAP OO ser melhor do que FORMs, INCLUDEs e CALL FUNCTIONs, o mais comum é a pessoa do lado de lá continuar convencida de que OO é bom nas outras linguagens mas não traz vantagens para o ABAP. Logo a começar pelo atroz código standard SAP que parece ter sido escrito para provar que é possível fazer algo que viola todas as boas prácticas de programação e mesmo assim funciona.

Ler o resto do artigo! »

NÃO

Não,
o ABAP
nunca vai ter
o operador NOT.

Ler o resto do artigo! »

MOVE-CORRESPONDING entre duas tabelas respeitando a chave

O Abapinho não tem falado muito sobre o 7.40 porque as suas novidades têm já sido amplamente descritas em vários sites. Tentamos não inventar a roda.

Mas há pequenas pérolas úteis que ainda são pouco conhecidas. Esta é sobre uma delas.

Ler o resto do artigo! »

O caminho mais curto para ir de SELECT a RANGE

Hoje debruçamo-nos sobre como tentar optimizar o código para transformar um SELECT num RANGE.

Ler o resto do artigo! »

É tão simples converter uma MESSAGE numa EXCEPTION

Há alguns anos atrás mostrei como se podia converter uma MESSAGE normal numa excepção tipificada. Entretanto o ABAP evoluiu um bocadinho e agora, na versão 7.40, aquela solução complexa já não é necessária.

Ler o resto do artigo! »

A árvore dos pacotes Z – Uma proposta modesta

Quem lê o Abapinho sabe que eu defendo o uso e abuso do ABAP Package Concept. Hoje em dia a primeira coisa que eu faço quando começo um desenvolvimento novo é criar-lhe um pacote encapsulado que guardará todos os seus objectos que, nos casos mais complexos, será um pacote “Main” ainda subdividido em vários sub-pacotes.

Fica aqui a minha modesta proposta para criar uma árvore de pacotes Z que ajude a organizar aquilo que é normalmente uma confusão danada.

Ler o resto do artigo! »

IF sem IS INITIAL em métodos booleanos

O sistema do cliente onde trabalho actualmente foi finalmente actualizado para o 7.50 e, depois de tantos anos preso ao ABAP convencional, posso desfrutar as maravilhas introduzidas no 7.40.

São às dúzias essas maravilhas, e não vou começar aqui a fazer artigos sobre cada uma porque já existem artigos espalhados pela net sobre quase todas elas o Abapinho faz sempre o possível por ensinar algo novo ou, pelo menos, pouco conhecido.

Mas há uma singela funcionalidade que, não sendo nada de extraordinário, me agrada: já não é preciso fazer IS INITIAL no comando IF quando a condição é um método que retorna um booleano.

Ler o resto do artigo! »

Quando o código cheira mal

É frequente ao programar começar a sentir um cheiro desagradável. Normalmente não consigo logo identificar o que é. Sinto apenas uma leve mas incómoda fragrância. À medida que vou cheirando com mais propósito vou conseguindo perceber de onde vem. Mas mesmo nessa altura, muitas vezes ainda não me é perfeitamente claro porque é que aquele cheiro dali vem.

Ler o resto do artigo! »

Não é para reutilizar que se encapsula

Desde 1998 que oiço colegas ABAPers dizerem que não vale a pena meter determinado código numa função ou método porque não lhes parece que este vá tornar a ser reutilizado. E lá vão continuando na SE38 a fazer os seus reports cheios de includes.

A ideia de que a principal razão para encapsular código é poder reutilizá-lo é um dos maiores mal entendidos da história do nosso planeta.

Ler o resto do artigo! »

Refactorizarás: Extrair método

No mundo do SAP, o código ABAP onde cai é onde fica.

Num dia o Manel faz uma coisa mal porque está com pressa ou não sabe fazer melhor. Um ano depois pedem ao António para fazer uma pequena alteração. O António vê a asneira do Manel mas não a melhora porque, por alguma razão, no mundo do SAP, alterar código que está a funcionar, por muito mau que seja, é tabu. Em vez disso, acrescenta o seu código ao já existente de forma geralmente acrítica.

Esta atitude, quando adoptada por todos, contribui para uma inevitável erosão do código de um sistema que, após alguns anos, se tornará ingerível.

No meu entender, isso está errado e vai contra os interesses do cliente. Aliás, mesmo se o cliente não quiser que se mexa no código antigo… eu mexo. Quem é ele para me dizer como é que se programa?

Ler o resto do artigo! »

Comentário sobre comentários

Na escola aprende-se que o código deve ter sempre comentários. Depois, na vida real, descobrimos que nem toda a gente prestou atenção na escola.

Sempre tive o cuidado de comentar os vários passos do meu código, especialmente as partes mais obscuras ou que não são auto-explicativas.

Mas depois de ler o livro Clean Code do Uncle Bob, a minha opinião mudou. Hoje acredito que quanto menos comentários melhor. E no entanto não acho que esta mudança seja contraditória.

Ler o resto do artigo! »

ABAP, o lobotomizador

O João estuda Engenharia Informática na Universidade onde aprende Java, polimorfismo, encapsulamento e uma série de outras técnicas e boas prácticas. Quando termina o curso é contratado por uma empresa para trabalhar em SAP. No curso de introdução ao ABAP que a empresa lhe oferece, a primeira coisa que ensinam é como fazer o programa ZJOAO. Explicam assim:

“Vais à SE38, crias o programa ZJOAO e crias logo os includes ZJOAO_TOP, ZJOAO_FRM e ZJOAO_SEL. Depois metes as variáveis todas no _TOP, o ecrã de selecção no _SEL e todos os FORMs no _FRM. A partir daqui é só ires programando. Primeiro escreves START-OF-SELECTION e a seguir fazes todos os SELECTs e depois escreves END-OF-SELECTION e mostras tudo numa ALV. É simples, vês? Bem-vindo ao ABAP.”

Ler o resto do artigo! »

Serialização – Clona a Dolly em ABAP

A ovelha Dolly

Este artigo é da autoria de José Vília.

A ovelha Dolly está no ABAP e eu não sabia.

Depois de criar uma instância de uma classe, gostava de partilhá-la com outro programa totalmente independente para que este outro programa posso usá-la como se a tivesse instanciado.

Como se de uma fábrica de ovelhas Dollies se tratasse, o ABAP pode utilizar serialização para resolver o problema.

Ler o resto do artigo! »

Protocolo de erros da ALV Grid

A lei do menor esforço, esse grande axioma da Humanidade, tem, no mundo da programação, a particularidade de, em muitos casos, acabar por ser simplesmente a lei do esforço adiado. Porque é muito provável que algo que tenha sido desenvolvido de acordo com esta lei venha mais tarde a precisar de um grande esforço extra. Seja dos utilizadores que vão utilizar esse algo ou dos programadores que mais tarde terão de o manter.

Atire a primeira pedra aquele que não se deixou guiar por esta lei ao desenvolver este ou aquele programas.

Eu não atiro.

Ler o resto do artigo! »


Acerca do Abapinho
O Abapinho é suportado pelo WordPress
Artigos (RSS) e Comentários (RSS).