"
Supported by

How to sabotage tables

Another article to help those who are into sneaky subversion Spies, take note on how to edit a table that cannot be (and probably shouldn’t be) edited. I’ll show you three techniques. The first stopped being useful a few years ago, the second is about to become obsolete and the third, well, we’ll just have to see for how long it will work.

1. SE16 /H OK_CODE EDIT
The first technique dates back to the twentieth century and uses the old transaction SE16.

  • in transaction SE16 choose the table to be edited
  • select the data and go to the details of one of the H registries
  • /to debug
  • change the variable OK_CODE to “EDIT”
  • F8 to continue

If everything goes well, the registry will now be editable. Then all you need to do is save.

2. SE16N &sap_edit

  • in transaction SE16N choose the table you want to edit
  • select the data if you want to filter registries
  • in the transaction field, write &sap_edit and enter
  • F8 to go to the list of data

A recent SAP Service Pack blocks this technique. If, with a little luck, your system is a bit out of date, the registry will now be editable. Then all you need to do is save. If this doesn’t work, try the same thing but with the transaction UASE16N instead.

3. Function SE16N_INTERFACE

  • transaction SE37, function SE16N_INTERFACE
  • F8 to test
  • parameters:
    • I_TAB = KNA1 :-)
    • I_EDIT = X
    • I_SAPEDIT = X
    • IT_SELFIELDS filled in if you wish to specify the registries to be edited
  • F8 once again to execute

If all goes well, a list of editable registries should appear. Then all you need to do is save.

There you have it. Now don’t start sabotaging tables like there’s no tomorrow!

Thanks to Renato Oliveira for the secret info.

Greetings from Abapinho.

10 comentários a “How to sabotage tables”

  1. Rui Fonseca Dias Diz:

    Boas

    Na segunda opção, se o utilizador não tiver acesso à transacção SE16N poderá sempre usa a UASE16N.

    abraços

  2. admin Diz:

    Olá Rui, obrigado. No entanto já lá se fala na UASE16N como alternativa ;)

  3. Custodio Diz:

    Meu metodo preferido eh o debug na SE16. Porem apareceu na nova SCN um possivel transtorno ao utilizar essa “tecnica”:

    http://scn.sap.com/thread/1595246

    Portanto, muito cuidado!

  4. Allan Oliveira Diz:

    Nuno,

    Você poderia criar um post falando sobre a tabela USR02 e sobre como é possivel utilizar uma senha anterior. Apagando os campos OCOD1, OCOD2, OCOD3, OCOD4 e OCOD5, é possivel coloca-las novamente!
    =)

    Creio que muita gente tem raiva de não poder colocar umas das 5 ultimas senhas. Isso é muito irritante.

    Abraço
    Allan Oliveira

  5. Nuno Godinho Diz:

    Olá Allan,
    Excelente ideia. Assim farei, obrigado.
    Abraço,
    Nuno

  6. Renato Oliveira Diz:

    Olá Nuno,

    É com grande satisfação que acompanho o abapinho.

    Sempre com excelentes dicas.

    Saudades das nossas tertúlias de abap (e outras) quando estivemos a trabalhar na ICA.

    Até ao próximo projeto.

    Grande abraço,

    Renato Oliveira

  7. admin Diz:

    Oi Renato! Obrigado! Tu não és só seguidor, também contribuis ;) Abraço

  8. Bruno Esperança Diz:

    Boas!

    Outra manha interessante (que me vi obrigado a utilizar aqui no cliente onde estou) é na SE16N, fazer /H para entrar em debug, e mudar na estrutura GD os campos EDIT e SAP_EDIT para ‘X’. Não sei porquê mas o &sap_edit não funcionava e eu tenho pavor da SE16, então vi-me forçado a descobrir este método.

    Cumps, e obrigado pelo blog.

  9. Allan Cristian Diz:

    Bom dia!

    Apenas a título de informação, existem clientes que bloqueiam o acesso à “SE37” e “SE16N”/”N”, porém, geralmente, não limitam a SE38…
    Uma solução rápida, seria executar o programa RK_SE16N que é o mesmo que a transação “SE16N”…

    Abraços!

  10. Alan Jhonis Diz:

    Bom dia Nuno,

    Muito legal seu portal, sempre ajuda muito.

    Só uma informação. No meu caso entrei na linha “if code = ‘SHOW’.” e alterei para “EDIT” e o campo foi desbloqueado para modificação.

Deixe um comentário


About Abapinho
Abapinho runs on WordPress
Articles (RSS) e Comments (RSS).