"
Apoiado por

Índices secundários em tabelas internas

Durante anos as tabelas internas eram declaradas assim:


DATA: itbl TYPE TABLE OF bkpf.

E depois era fazer SELECT, SORT e tentar usar sempre BINARY SEARCH no READ TABLE. Como o LOOP não permite BINARY SEARCH… usar WHERE com LOOPs não era nada rápido.

Nesta altura as tabelas internas ainda se chamavam todas ITBL.

Entretanto a SAP passou a permitir fazer aquilo que eles chamam de “fully specified internal table”, ou seja, declarar chaves de tabelas internas e a escolher o tipo de organização e índices destas:


DATA: t_bkpf TYPE SORTED TABLE OF bkpf WITH UNIQUE KEY bukrs belnr gjahr.

Com tabelas assim definidas já não é preciso fazer SORT nem usar o BINARY SEARCH porque os índices que definimos são automaticamente usados tanto no READ TABLE como no LOOP, que assim passa a ser rápido.

Até aqui acho que não revelei nada de novo (ainda que, surpreendentemente, vou vendo muito preguiçoso que continua a não declarar a chave nas tabelas internas. Ao menos já lá vai algum tempo desde a última vez que vi uma chamada ITBL).

Mas o que pouca gente sabe é que recentemente a SAP passou a permitir criar índices secundários nas tabelas internas:


DATA: t_bkpf TYPE SORTED TABLE OF bkpf
             WITH UNIQUE KEY bukrs belnr gjahr
             WITH NON-UNIQUE SORTED KEY key_budat COMPONENTS budat.

Isto resolve as situações em que temos de aceder aos dados de uma tabela interna de mais do que uma forma no mesmo programa.

E para mostrar as virtudes dos índices secundários escrevi um programa que compara uma tabela das velhas acedida com BINARY SEARCH com uma tabela das novinhas com dois índices.

O programa está aqui no GitHub.

Eis os resultados (o tempo de carregamento não está contabilizado no resultado final, apenas os acessos):

Image

É fácil concluir qual é a melhor abordagem.

Obrigado redspotted pela foto.

O Abapinho saúda-vos.

Deixe um comentário


Acerca do Abapinho
O Abapinho é suportado pelo WordPress
Artigos (RSS) e Comentários (RSS).