Patrocinado por
Patrocinado por Inetum

Adeus Wordpress, olá Jamstack

images/thumbnail.png - Thumbnail
Depois de mais de 10 anos a usar Wordpress, o mundo evoluiu e o Abapinho decidiu evoluir com ele.

Se amas o próximo, evita o CLEAR

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Demasiadas regressões acontecem porque alguém se esquece de fazer CLEAR ou de não fazer CLEAR a uma variável.

Não sejas do contra

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
A legibilidade é muito importante em todo o texto escrito. Talvez com a excepção da poesia concreta. Na sequência do post anterior, aqui fica um par de regras que minimizam o esforço que alguém tem de fazer para compreender expressões booleanas.

As condições IF devem ser simples de entender

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Porque haveria de ser difícil lê-las? Só tornaria mais difícil a vida de quem vier a precisar de a entender. Lá porque uma condição IF é complexa não é por isso que tem de ser complicada.

SELECT com CASE

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O ABAP está a permitir fazer coisas cada vez mais interessantes em SQL. A última que descobri foi que agora se pode usar CASEs.

Já tenho saudades tuas Sérgio!

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
O meu querido amigo Sérgio Fraga faleceu. O Abapinho também é dele. Para sempre. Obrigado amigo por tudo o que foste.

As duplas negativas dos RANGEs

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Os RANGEs têm propriedades interessantes.

SELECT WHERE field IN (*, x)

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Vamos por partes. Imagina um cenário em que tens uma tabela de parametrização com vários níveis de detalhe que podem ou não estar definidos: BUKRS (empresa) WERKS (plant) LGORT (depósito) Quando um dos campos está vazio, é um wildcard, ou seja, é válido para todos os valores.

Insere sem excepções em tabelas internas com chave única

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quantas vezes na tua vida de consultor tiveste de lidar com dumps que aconteceram em consequência de um programa tentar inserir duas linhas com a mesma chave numa tabela interna definida com UNIQUE KEY? Chega.

Popula manulamente uma LISTBOX

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Em 2012 lamentei que a LISTBOX fosse tão pouco usada. Ensinei a usá-la com elementos de dado standard, que a populam automaticamente. Hoje vou-te ensinar como a podes popular tu próprio se quiseres listar opções que não venham de um elemento de dados.

SELECTION-SCREEN FUNCTION KEY N

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Há tantas coisas que se podem fazer nos ecrãs de selecção. Aqui está mais uma: cinco botões na barra de ferramentas.

Envia emails para uma lista de distribuição

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Quando tens de enviar o mesmo email para mais do que um endereço, o mais comum é guardar a lista de endereços numa tabela qualquer e depois adicionar todos os endereços como recipientes. Mas aprendi recentemente uma forma muito mais bonita para conseguir o mesmo resultado.

Manipula textos de selecção sem os fixar no programa

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Embora muitos ABAPers ainda se esqueçam disto, quanto menos textos forem fixados no programa mais fácil será traduzi-lo. Aqui está uma forma simples mas relativamente obscura de alterar os textos para, por exemplo, adicionar-lhes ícones, mantendo-os traduzíveis.

Chama função remotas AS SEPARATE UNIT

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Imagina que chamas um módulo de função por RFC várias vezes seguidas. Se calhar julgas que cada chamada é completamente independente. Mas não é. O grupo de funções fica carregado em memória no sistema remoto e os mesmos dados globais serão reutilizados em todas as chamadas. Isto não deverá constituir um problema na maior parte dos casos. Mas haverá cenários em que, por uma razão ou outra, o módulo de funções chamado guarda dados em variáveis globais que podem interferir negativamente com as chamadas subsequentes.

Funções manequins

images/thumbnail.jpg - Thumbnail
Como é que se há-de traduzir dummy? Fica manequim. Comecei a trabalhar recentemente num cliente novo e reparei que fazem aqui uma coisa que me agradou. Quando precisam de invocar por RFC módulos de função em outros sistemas SAP, criam localmente um módulo de função com o mesmo nome mas sem código, apenas com um comentário explicando que é uma função remota noutro sistema. A virtude disto é que assim pode usar-se a ferramenta where-used para descobrir todos os sítios onde é invocada.